Despojados da pele

Micheal Bright
Natureza em perigo – Matar por luxo
Porto, Edinter, 1989

Excertos adaptados

Anterior: Matar por luxo

Despojados da pele

As vacas e os porcos não são os únicos animais utilizados para fornecer couro. As cobras, crocodilos, cangurus, caimões, lagartos e tubarões são chacinados e as suas peles são transformadas em vestuário e calçado de moda. Parte desse comércio é ilegal; mas grande parte dele não o é. Em 1986, El Salvador exportou 134.000 peles de caimão, apesar de ter uma população de caimões de apenas 10.000 animais. As peles “extra” foram de países onde existem restrições ao comércio, tais como o Panamá e a Colômbia.

O abate de caimões tornou-se semelhante a uma operação militar. Helicópteros-canhoneiras sobrevoam lagos e rios remotos, à noite. Holofotes localizam os animais, que são atingidos entre os olhos para não marcar as peles. No dia seguinte, os corpos são recolhidos. Estas actividades são ilegais, mas, infelizmente, os caçadores furtivos estão mais bem organizados do que os serviços de fiscalização do governo.

Um problema que surge com a tentativa de restringir o comércio de peles de répteis é que os países consumidores pactuam para ignorar os controlos internacionais. Os principais importadores de peles de répteis (França, Japão, Itália e Alemanha Ocidental) recebem milhões de peles, por ano, principalmente oriundas da Ásia e da América do Sul.

Alguns países iniciaram a criação de crocodilos, para satisfazer a procura de artigos de couro de crocodilo. Porém, os conservacionistas argumentam que o comércio encoraja o abate ilegal de animais selvagens. Quando se trata de fiscalizar o comércio, como é que as autoridades alfandegárias distinguem uma pele de animal criado em cativeiro da pele de um animal ilegalmente caçado sabe-se lá onde? A solução dada pela Nova Guiné é a etiquetagem das peles “de cultivo”.

Os tubarões fornecem o couro mais resistente que se conhece. Muitos são apanhados por pescadores mexicanos que enviam as peles secas para os Estados Unidos, para serem curtidas. No passado, o couro era usado por fabricantes de mobiliário para esfregar a madeira, e pelos esgrimistas no punho das espadas, para que as mãos não escorregassem com o sangue. Hoje utiliza-se para fabricar sapatos de qualidade e botas de vaqueiro. O comércio não tem restrições e ainda existem muitos tubarões no mar. A pesca intensiva poderia dizimar toda uma estirpe.

É moralmente inaceitável o abate deliberado de qualquer criatura viva — do crustáceo ao elefante — não sendo motivado pela fome, frio ou necessidades de saúde, mas tão-somente pelo luxo.

Richard Adams, autor de “Watership Down”

A pele de varano-malaio é passada clandestinamente do Bangladesh, Indonésia e Paquistão para o Japão. As peles de cobra também são populares, embora o padrão distinto da pitão seja facilmente descoberto pelos funcionários das alfândegas. Numa encomenda de 400 latas de caju, destinada a Singapura e originária da Índia, apenas 140 latas continham caju. As restantes continham peles de cobras, no valor de um milhão e seiscentos mil dólares.

PERFIL…

Crocodilos

Os crocodilos, aligátores, caimões e gaviais passaram pelas grandes extinções que fizeram desaparecer os dinossauros, há cerca de 65 milhões de anos. Sobreviveram, praticamente inalterados. Todavia, em apenas 100 anos, o homem quase conseguiu dizimá-los. Os crocodílidas possuem cérebros grandes. Além de mostrarem um comportamento instintivo, também são capazes de aprender. São predadores aquáticos bem adaptados, com os olhos e as narinas colocados no cimo da cabeça, o que lhes possibilita ver e respirar à superfície, com o corpo submerso.

O caimão-de-lunetas

O caimão sul-americano pode atinge mais de dois metros, desde o focinho até à extremidade da cauda. Vive nas bacias hidrográficas do Amazonas e do Orenoco. Cresce cerca de 30 cm por ano e pode viver de 75 a 100 anos, se o homem deixar.

O caimão-de-lunetas é assim denominado por causa da saliência córnea que une as órbitas oculares e que se assemelha à trave de um par de óculos. Um caimão adulto alimenta-se de gigantescos caracóis aquáticos, piranhas e qualquer outro animal que lhe surja no caminho. O caimão passa o dia escondido nos juncais ou estendido ao sol, nas margens dos rios. À noite, caça. Os exploradores contam os caimões, à noite, com uma lanterna, localizando os reflexos dos olhos do animal. Dos dois milhões de peles de crocodilos legalmente comerciadas todos os anos, três quartos são de caimão-de-lunetas. Outro milhão de peles sai ilegalmente do Paraguai, Bolívia e Brasil. A maior parte das peles é enviada para Itália, onde são transformadas em bolsas e carteiras dispendiosas.

O crocodilo-do-Nilo

Atinge cerca de 6,5 m de comprimento e pesa cerca de 1080 kg. Em liberdade, vive mais de 50 anos. Sabe-se de crocodilos que vivem mais de 100 anos. Os crocodilos-do-Nilo são responsáveis por muitas mortes.

O crocodilo-do-Nilo vive nas margens dos rios, em toda a parte de África. A fêmea do crocodilo enterra os ovos na areia e vigia o ninho enquanto os ovos incubam. Os crocodilos-bebés saem do ovo e apelam para a mãe, para os desenterrar. Depois, ela transporta-os, na boca, para a água. Durante os primeiros três meses, vivem em “infantários” em águas estagnadas. Se ameaçados, a mãe solta um grunhido e, todos ao mesmo tempo, mergulham na água.

Segue: Beleza e crueldade

Anúncios

0 Responses to “Despojados da pele”



  1. Deixe um Comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s





%d bloggers like this: